03 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Conquistas PMCG
COMÉRCIO E A ECONOMIA

Confiança do empresário do comércio fecha o ano em queda histórica

No entanto, variações positivas nos subíndices que medem as expectativas e as intenções de investimentos demonstram leve otimismo dos comerciantes em dezembro

29 dezembro 2015 - 13h22
HVM

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), atingiu em dezembro mais um recorde negativo na série histórica, iniciada em março de 2011. O índice registrou 79,9 pontos, queda de 1,4% em relação a novembro e de 26,5% em comparação com o mesmo período do ano passado. 

O subíndice mais afetado negativamente foi a avaliação dos empresários quanto à situação atual do País, que ficou em 37,7 pontos, numa escala que varia de 0 a 200 pontos. Foi o menor já alcançado na série histórica, com redução de 12,2% na comparação com o mês passado e de 50,8% ante dezembro de 2014. “A ampliação das taxas negativas indica deterioração da percepção dos varejistas quanto às condições atuais, especialmente concentradas na avaliação ruim sobre a economia. A impressão negativa das condições correntes é generalizada, observada nos segmentos de empresas de maior e menor porte”, explica Izis Janote Ferreira, economista da Confederação. 

Expectativas futuras 

Apesar da ampliação das avaliações negativas das condições atuais, variações positivas nos subíndices que medem as expectativas e as intenções de investimentos apontam um sinal de otimismo dos comerciantes neste fim de ano. Quebrando uma sequência de cinco meses de reduções consecutivas, o subíndice que mede as expectativas dos empresários do comércio alcançou 120,6 pontos, leve alta de 1,0% em relação a novembro. O subíndiceIcec que avalia as condições de investimentos registrou em dezembro 81,3 pontos, acima dos 80,3 pontos alcançados em novembro. Para a CNC, a variação positiva foi influenciada pelas intenções dos empresários de contratar mais pessoal no mês do Natal, uma das principais datas para o varejo. 

Apesar do pequeno incremento nos dois subíndices na base de comparação mensal, eles acumulam queda na variação anual. O índice de Expectativas do Empresário do Comércio registra queda de 15,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. Já no índice relacionado a Investimentos, a redução em relação a dezembro de 2014 é de 23,6%. 

Estoques no Natal 

A satisfação dos empresários em relação ao nível de estoques teve queda de 1,6% no comparativo mensal e cerca de um terço dos entrevistados consideram que têm estoque acima do adequado nesse fim de ano. A CNC estima que neste Natal o volume de vendas no varejo deverá ser 4,8% menor que na data do ano passado.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você vai fazer compras de Dia dos Pais neste ano?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Auxilio Emergencial  (interno)
Cornavirus
agecom - fullbanner