22 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
ECONOMIA

Caffarelli: retorno do BB em 2019 deve estar mais próximo do de pares privados

6 dezembro 2017 - 16h39

O retorno sobre o patrimônio líquido do Banco do Brasil deve em 2019 já estar mais próximo do patamar dos pares privados, de acordo com o presidente da instituição, Paulo Caffarelli. "Quando começamos esse trabalho, de atingir a rentabilidade dos nossos pares, tínhamos metade do resultado do Bradesco e um terço do Itaú. Atingir o mesmo patamar demora um pouco mais, mas a nossa expectativa é que a partir de 2019 nosso retorno já esteja mais próximo dos pares privados", explicou o executivo, em reunião com analistas e investidores, nesta tarde de quarta-feira, 6.

De acordo com Caffarelli, a rentabilidade do BB, que vem em uma trajetória ascendente deste que o executivo assumiu o comando do banco, será maior em 2018. O retorno sobre patrimônio líquido (RSPL) da instituição foi a 10,8% ao final de setembro, aumento de 0,1 ponto porcentual ante junho, quando estava em 10,7%. Em um ano, o indicador teve melhora de 0,9 ponto porcentual (p.p.). Já no acumulado de 2017, a rentabilidade da instituição chegou a 12,3%.

Planos econômicos

Caffarelli afirmou que o volume de provisões que a instituição tem para fazer frente a eventuais impactos das ações judiciais por conta dos planos econômicos dá total tranquilidade para o banco fechar um acordo com os poupadores. Ele não quis, porém, dar mais detalhes sobre o assunto. "Comentários neste momento podem atrapalhar as negociações", explicou o executivo.

O BB possui cerca de R$ 4,3 bilhões em provisões por conta de planos econômicos. Considerando cálculos do JPMorgan, a fatia correspondente ao banco do total do valor que será pago aos poupadores, que pode ficar entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões, é de 22%. Assim, as perdas da instituição girariam entre R$ 2,2 bilhões e R$ 3,3 bilhões, ou seja, abaixo das provisões constituídas.

Os poupadores questionam diferenças de correção monetária adotada pelos bancos para remunerar as cadernetas por conta dos planos Bresser (1987), Verão (1989), Collor I (1990) e Collor II (1991). O acordo entre os clientes e bancos encerra uma batalha jurídica que se estende por 24 anos. Procuradas, as instituições financeiras mencionadas e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) não comentaram.

Banco Patagônia

Caffarelli afirmou que a instituição não precisa se desfazer de sua participação no argentino Patagônia e que o objetivo, como já anunciado, é fazer um follow on (oferta subsequente) no melhor momento da bolsa argentina. "O follow on faz mais sentido para o Patagônia. Não temos necessidade de vendê-lo. O banco é lucrativo", destacou o executivo, em reunião com analistas e investidores, nesta tarde.

Caffarelli reforçou que o banco não pretende se desfazer de ativos que sejam core para a instituição e mencionou ainda que o BB espera concluir a oferta de ações da Neoenergia na semana que vem, cuja precificação está agendada para o dia 14 de dezembro.

ADR

Sobre o lançamento de ADRs (American Depositary Receipt) nível 2 do BB, Caffarelli afirmou que esse passo será dado no momento oportuno. Segundo Bernardo Rothe, Vice-Presidente de Gestão Financeira e de Relações com Investidores do banco, o trabalho de lançamento de ADR nível 2 não parou e está sendo realizado. Necessita, contudo, conforme ele, de uma janela de oportunidade para que se materialize.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
tj ms agosto
SOLURB