13 de dezembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Campanha IPTU 2019 - Reposição,
ECONOMIA

Bracher diz que estabilidade macroeconômica é crucial para atrair estrangeiros

A reforma da Previdência, disse Bracher, é necessária para o País resolver a fragilidade fiscal, com a dívida pública em forte crescimento nos últimos anos e com tendência de subir mais

14 março 2018 - 16h59
O presidente do Itaú destacou que o Brasil é um dos principais destinos para recursos estrangeiros no mundo e disse que mesmo durante a recessão o País seguiu atraindo recursos externos
O presidente do Itaú destacou que o Brasil é um dos principais destinos para recursos estrangeiros no mundo e disse que mesmo durante a recessão o País seguiu atraindo recursos externos - Foto: Estadão

O presidente-executivo do Itaú Unibanco, Candido Bracher, ressaltou em debate nesta quarta-feira, 14, no Fórum Econômico Mundial que a estabilidade macroeconômica é crucial para atrair investidores estrangeiros ao Brasil.

A reforma da Previdência, disse Bracher, é necessária para o País resolver a fragilidade fiscal, com a dívida pública em forte crescimento nos últimos anos e com tendência de subir mais. Sem resolver a questão fiscal, o País terá dificuldade para manter a estabilidade macroeconômica, conquistada em 2017 com o avanço de reformas, como a trabalhista e o teto para os gastos públicos.

O presidente do Itaú destacou que o Brasil é um dos principais destinos para recursos estrangeiros no mundo e disse que mesmo durante a recessão o País seguiu atraindo recursos externos. Para ele, os investidores internacionais têm a expectativa de que o Brasil vai conseguir resolver seus problemas estruturais. Mas se o governo não entregar mudanças concretas, eles podem se cansar dessa expectativa.

Ao falar do crédito bancário, Bracher afirmou que os empréstimos para empresas estão crescendo menos porque o mercado de capitais consegue suprir parte da necessidade das companhias. Para ele, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) deve se focar em projetos que tenham menos retorno para o setor privado e ao mesmo tempo maior impacto social.

fullbanner-prestacao-contas-468x60px-cmcg-nov18
Rubeola