19 de agosto de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Banner - Campanha Doe Sangue 09.08 até 16.08
ECONOMIA

Bolsas da Europa fecham em alta consistente após tom suave de Draghi, do BCE

14 junho 2018 - 13h03

As principais bolsas da Europa fecharam em alta consistente neste pregão, em linha com a interpretação de que o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, adotou uma retórica "dovish" ("mais suave") em coletiva de imprensa após a decisão da instituição de manter suas taxas de juros inalteradas e anunciar a redução das compras mensais do seu programa de afrouxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) a partir de outubro.

O índice pan-europeu Stoxx 600 teve ganho de 1,23%, aos 393,04 pontos.

Embora a revelação pelo BCE de que dará mais um passo no desmonte gradual do QE a partir de outubro, baixando as compras mensais de ativos para 15 milhões de euros até dezembro, denote uma postura "hawkish", a afirmação por Draghi de que as taxas de juros da autoridade monetária seguirão nos atuais níveis até pelo menos o verão de 2019 no Hemisfério Norte foram a chave para a recuperação no mercado acionário.

Mesmo que ofuscados pelos desdobramentos em torno da decisão de política monetária, houve indicadores das duas principais economias europeias na agenda desta quinta-feira. No Reino Unido, as vendas no varejo avançaram 1,3% em maio ante abril, mostraram dados do Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês), um ponto porcentual cheio acima da previsão de analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, de +0,3%.

Já a Destatis, agência de estatísticas da Alemanha, revelou que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do país subiu 0,5% em maio ante abril e 2,2% na comparação com igual mês em 2017, em linha com as expectativas do mercado.

Na Bolsa de Londres, o FTSE 100 ascendeu 0,81%, para os 7.765,79 pontos. Repercutiu nesta praça os relatos na mídia britânica de que a fabricante de motores para aviões Rolls-Royce cortará 4,6 mil empregos no Reino Unido com o objetivo de economizar 400 milhões de libras por ano até 2020 com custos. As ações da empresa dispararam 6,54%.

Em Frankfurt, o DAX 30 teve avanço de 1,68%, para os 13.107,10 pontos, superando a marca psicologicamente importante dos 13 mil pontos. No setor de energia, as ações da E.ON saltaram 3,36% e as da RWE, 3,24%. Também entre os destaques, os papéis da multinacional Bayer ganharam 1,98%.

O CAC 40, da Bolsa de Paris, fechou em alta de 1,39%, aos 5.528,46 pontos. Na praça parisiense, os papéis da petroleira Total avançaram 1,52% e os da Engie, 2,43%.

Com referência no FTSE MIB, a Bolsa de Milão ganhou 1,22%, para os 22.486,32 pontos. Seguindo pares do setor de energia no continente, as ações da Enel subiram 1,92% e as da ENI, 1,95%.

Em Madri, o Ibex 35 teve avanço de 0,59%, para os 9.957,70 pontos, enquanto o PSI 20, da Bolsa de Lisboa, destoou com queda de 0,10%, para os 5.677,81 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
VAZIO SANITÁRIO