17 de junho de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
BANNERS - LEILÃO NELORE JMP
ECONOMIA

BC injeta US$ 3,7 bi, mas dólar tem segunda alta seguida e vai a R$ 3,71

12 junho 2018 - 17h04

O Banco Central injetou mais US$ 3,7 bilhões no mercado de câmbio nesta terça-feira, 112, mas a cautela com a reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) falou mais alto e o dólar acabou subindo pelo segundo dia seguido, a R$ 3,7144 (+0,17%). Em novo dia de volatilidade, a moeda chegou a cair para R$ 3,67 na mínima do dia, mas não se sustentou neste patamar em meio às preocupações aqui e no mercado externo de como se dará o processo de alta de juros na maior economia do mundo. No exterior, a divisa dos Estados Unidos subiu ante as principais moedas de países desenvolvidos e emergentes.

O consenso dos economistas, de bancos como Goldman Sachs, Morgan Stanley, Bank of America Merrill Lynch e JPMorgan, é que os juros serão elevados amanhã nos EUA, mas a maior dúvida é se os dirigentes do Fed vão sinalizar que haverá ao todo quatro elevações este ano e como fica o ritmo de altas para 2019 e 2020. Para Luis Afonso Lima, economista-chefe da Mapfre Investimentos, mesmo que o Fed não sinalize mais altas amanhã do que as três já esperadas para 2018, um discurso mais convicto dos dirigentes sobre o processo de normalização da política monetária, por conta da forte atividade econômica e perspectiva de inflação mais alta, pode manter o dólar pressionado no exterior e aqui. Com isso, a tendência é que o real continue depreciado no curto prazo.

Nesta terça-feira, o BC inicialmente só sinalizou um leilão extra de swap, de US$ 1,5 bilhão. Com isso, o mercado ficou estressado, pois esperava mais dinheiro "novo" no câmbio e o dólar bateu máximas, chegando a R$ 3,73. Logo depois, por volta do meio-dia, o BC anunciou um segundo leilão extra, levando a moeda a bater mínimas. O BC tem ainda cerca de US$ 12 bilhões para colocar até sexta-feira, 15, dentro do programa de US$ 20 bilhões de swaps adicionais prometidos por Ilan Goldfajn na semana passada, além de US$ 2,15 bilhões dos lotes de 15 mil contratos já previstos desde maio.

Estes volumes que o BC ainda tem para colocar esta semana podem amenizar algum estresse causado pelo resultado da reunião do Fed, avalia o sócio da Wagner Investimentos, José Faria Júnior. Mas ele também ressalta que a tendência é do dólar seguir se valorizando no Brasil. Além do cenário externo marcado pela moeda americana forte, que pode ter novo reforço caso os dirigentes do Fed confirmem amanhã quatro elevações em 2018, o ambiente doméstico não ajuda, em meio à indefinição com as eleições e uma atividade econômica que patina.

TJ MS
ALMS CORTESIA