07 de julho de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Saraiva de Rezende - SR Construtora
ECONOMIA

Auxílio: R$ 500 no começo do mês, R$ 100 no fim e mais R$ 300 no começo do outro

Segundo Guedes, a divisão das parcelas será uma "aterrissagem inteligente"

30 junho 2020 - 17h15
O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes - (Foto: Divulgação)
comper

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira, 30, que o governo pretende distribuir as duas novas parcelas de R$ 600 do auxílio emergencial em quatro etapas para garantir renda aos trabalhadores informais durante um cenário de "crise mais extensa" devido à pandemia do novo coronavírus.

Segundo Guedes, a divisão das parcelas será uma "aterrissagem inteligente". De acordo com ele, a ideia é que no início de agosto sejam pagos R$ 500; outros R$ 100 no final do mês; em setembro, serão depositados mais R$ 300 no início do mês e outros R$ 300 no final.

O ministro falou, ainda, que o governo está "fazendo o possível" para lidar com a crise econômica e social gerada pela covid-19, mas admitiu que "evidentemente que saímos do trilho". "O ano de 2020 foi de despesa extraordinária, mas não há problema, os mercados compreendem", justificou.

Guedes também anunciou que a equipe econômica está desenhando "medidas de saída da crise" e que nos próximos três meses vai trabalhar para estimular investimentos e empregos. "Nos próximos dois a três meses lançaremos medidas de apoio ao emprego", afirmou.

No discurso, Guedes rebateu críticas de que o governo foi omisso no combate à covid-19. "As linhas de ataque ao coronavírus que adotamos envolveram várias iniciativas, a primeira e mais importante foi o auxílio emergencial que estamos prorrogando nesse momento", disse.

No evento, o presidente Jair Bolsonaro chegou acompanhado dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

FORT ATACADISTA - 5º verde (interno)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você é a favor do veto do presidente Bolsonaro em relação ao uso obrigatório de máscaras respiratórias em locais como igrejas, comércio, escolas e presídios?

Votar
Resultados
GAL COSTA