12 de dezembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 full banner da campanha da Dengue do Governo
ECONOMIA

Ameaças à independência de bancos centrais trazem riscos à economia, diz Draghi

13 outubro 2018 - 13h50

O presidente do Banco Central Europeu, Mário Draghi, declarou neste sábado que ameaças à independência de bancos centrais têm emergido como um risco significativo à economia global. Draghi participou do encontro do IMFC, o Comitê Monetário e Financeiro Internacional do FMI, em Bali, na Indonésia.

A repórteres presentes no evento, ele manifestou preocupação com a possibilidade de riscos geopolíticos levarem a um retorno abrupto das altas taxas de juros. Draghi citou três fatores considerados ameaças aos principais "pilares" da economia internacional: tensões comerciais, ameaças às regras sobre as quais a União Europeia foi construída e uma "disposição de discutir a independência dos bancos centrais".

As declarações de Draghi ocorrem na semana em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou repetidamente o Federal Reserve (o Banco Central do país). Após as ações nas bolsas dos EUA terem registrado a maior queda em mais de sete meses, Trump afirmou que o FED havia "enlouquecido" e estava cometendo um erro ao elevar as taxas de juros no país.

Também presente no encontro do IMFC, o vice-presidente do FED Randal Quarles afirmou que "não será do interesse de ninguém no mundo que o FED fique atrás da curva moderando o que considera o curso correto da política doméstica nos Estados Unidos". Quarles afirmou que a instituição considera em suas políticas o efeito que elas terão sobre os demais países, incluindo os mercados emergentes. Em setembro, o Fed elevou a taxa de juros para a faixa de 2% a 2,25% e autoridades da instituição sinalizaram que continuarão aumentando a taxa ao longo de 2019.

Quarles disse também que o Conselho de Estabilidade Financeira (FSB, na sigla em inglês), que monitora e faz recomendações sobre o sistema financeiro global, poderia ser mais metódico na avaliação de riscos futuros. O órgão poderia ser mais eficiente, na avaliação dele, se focasse em três áreas: riscos potenciais, respostas regulatórias a vulnerabilidades e avaliação de regras em vigor.

Draghi declarou, ainda, que os riscos geopolíticos poderiam levar a uma "acentuada reprecificação de ativos" na zona do euro, assim como um "agudo e repentino aumento das taxas de juros", que desacelerariam a economia por meio do maior custos dos empréstimos.

O presidente do BC europeu destacou que é possível observar, em reportagens da imprensa, que executivos têm feito pedidos a bancos centrais, "o que não é exatamente a forma de respeitar a independência do banco central". Draghi não mencionou o Fed ou Trump diretamente, mas observou que há outros países onde a questão também gera preocupação, como a Turquia, e disse que ele estaria expressando "um senso geral dos riscos na esfera geopolítica", não direcionado apenas a um país. Fonte: Dow Jones Newswires.

TJMS – Campanha do TJMS – SEMANA NACIONAL DA RECONCILIAÇÃO
Rubeola