04 de julho de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
CAMPANHA SEBRAE
ECONOMIA

Agricultura confirma que 4 frigoríficos estão impedidos de exportar carne à China

O Ministério lembra que o Brasil possui regramento para prevenção, controle e mitigação de riscos de transmissão da covid-19 nas atividades da indústria de abate

30 junho 2020 - 09h15
Sobre a decisão chinesa, o Ministério diz que não foram apresentados formalmente os motivos das suspensões.
Sobre a decisão chinesa, o Ministério diz que "não foram apresentados formalmente os motivos das suspensões". - ( Foto: Divulgação/ Internet)

O Ministério da Agricultura confirmou na noite desta segunda-feira, 29, que a China suspendeu temporariamente a importação de carne de três frigoríficos brasileiros com Serviço de Inspeção Federal (SIF) e a pasta vetou uma quarta planta. "O Mapa suspendeu voluntariamente a exportação para China de um estabelecimento que teve suas atividades paralisadas em função de decisão judicial relacionada aos procedimentos de prevenção e controle da covid-19 entre seus trabalhadores", disse em nota. Sobre a decisão chinesa, o Ministério diz que "não foram apresentados formalmente os motivos das suspensões".

Conforme o comunicado, o Brasil buscará junto à General Administration of Customs Peoples Republic of China (GACC, Departamento de Alfândegas da China), o órgão do governo chinês responsável pela habilitação de estabelecimentos exportadores e que também realiza o controle de mercadorias na aduana, "as razões da suspensão dos três estabelecimentos, e, ao mesmo tempo, iniciou negociações para que as suspensões possam ser levantadas".

O Ministério lembra que o Brasil possui regramento para prevenção, controle e mitigação de riscos de transmissão da covid-19 nas atividades da indústria de abate e processamento de carnes e derivados e que a portaria com essas medidas já foi traduzida para o mandarim e entregue às autoridades sanitárias chinesas. "O Mapa está mantendo contatos frequentes com a GACC no intuito de prestar as informações requeridas de forma ágil e transparente, mas também para reforçar que as decisões sobre eventuais suspensões de importação devem ser embasadas em informações científicas."