20 de junho de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
- SEBRAE INSTITUCIONAL
ECONOMIA

92% das franquias investem em inovação

14 janeiro 2018 - 08h05

Pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) mostra que 91,8% das empresas franqueadoras do País investiram em atividades inovadoras entre os anos de 2014 e 2016. Foram ouvidas 198 empresas, que representaram 24,3% de todos os negócios do segmento instalados no País no ano passado.

O estudo apontou que 43,1% das franquias consideram que a inovação aumentou a rentabilidade da empresa e 50,7% ampliou a participação da marca no mercado.

O investimento em inovação no segmento de franquias é mais frequente para a aquisição de softwares, de tecnologias e de conhecimento externo, representando, respectivamente, 90,3%, 88,5% e 81,2% nas empresas.

"Sistemas e softwares são muito importantes por causa do controle do setor financeira. Eles ajudam a fazer previsão de custos e de vendas etc. E isso é para todo tipo de empresa, não só para as mais tecnológicas", afirma o professor de engenharia da computação do Instituto Mauá de Tecnologia, João Carlos Lopes Fernandes.

"Não é um trabalho de inovação disruptiva, mas sim uma inovação incremental, que busca a melhoria contínua. Este é um ambiente que ainda está sendo estruturado e que procura o auxílio com outros parceiros", completa Altino Cristofoletti Junior, presidente da ABF.

A pesquisa ainda mapeou dados importantes que ajudam a documentar a construção da cultura da inovação no setor de franquias. De acordo com a associação, 50,5% das empresas possuem um responsável pela gestão da inovação e 42,5% delas têm um centro de P&D.

A respeito da origem das ideias que possivelmente geram resultados inovadores, 60,8% das companhias afirmaram ter recebido ideias de seus colaboradores internos.
A Associação Brasileira de Franquias teve como parceira na pesquisa, divulgada na última quinta-feira, a Confederação Nacional de Serviços (CNS), e a metodologia para a coleta de dados foi desenvolvida pela Fundação Dom Cabral.

Tradição

Há 68 anos no mercado, a Calçados Bibi estruturou em 2016 uma área de inovação física na sede da empresa e ainda lançou a plataforma Ninho da Inovação.

"Utilizamos toda a nossa base de colaboradores, fornecedores e equipe de vendas para trabalhar a inovação diariamente. Recebemos cerca de 300 ideias por ano", conta Camila Kohlrausch, diretora de marketing e produto da marca.

Dois produtos de destaque da Bibi foram originados no Ninho da Inovação. Um deles é o tênis Patch Mania, desenvolvido com bases no conceito de personalização e que já está em sua terceira coleção.

Outro lançamento recente da marca, o Display Bibi, também surgiu de uma ideia sugerida no departamento. "Sabemos que as criança são nativos digitais e então queríamos levar uma tela de LED para o calçado. Desenvolvemos o produto em dois anos, pois precisamos adaptar essa tecnologia ao calçado", conta.

Novos ares

No caso da Ice Creamy Sorvetes, que tem 70 lojas espalhadas pelo País, a busca por inovação neste início de ano está atrelada ao reposicionamento da marca.

Fundada há três anos, a franquia tenta se aproximar de um público premium. Para isso, está investindo em uma loja modelo que será inaugurada em São Paulo ainda este semestre.

Além do novo layout, mais sofisticado, a unidade vai ter postos de autoatendimento. A ideia é agilizar o processos e diminuir custos. O fundador da marca, Émmerson Serandin, diz ainda que pesquisas prévias mostram aumento no tíquete médio das vendas, quando o próprio cliente monta seu pedido.

Onde tudo começa

Mas é a quilômetros das lojas físicas, na fábrica e no centro de distribuição do produto, em Catanduva, interior de São Paulo, que estão as maiores apostas tecnológicas da empresa.

Em processo de instalação, o ERP, que em português significa Sistema de Gestão Empresarial, vai otimizar os processos da Ice Creamy. A ferramenta controla todas as informações internas e, assim, consegue gerenciar dados e recursos.

Com isso, a matriz identifica o que falta no estoque das lojas. Em seguida, programa a distribuição conforme a demanda registrada. "Assim, conseguimos saber quais sabores e subprodutos mandar para as unidades. A operação é mais assertiva e evita que o cliente se decepcione ao se deslocar e não encontrar o que buscava."

O objetivo é chegar a quase zero de ruptura (quando falta produtos nos estoques). Atualmente, segundo o empresário, a porcentagem está em 10%.

Para Serandin, isso mostra que a busca por inovação e tecnologia não "é só coisa de fintechs startups". Prova, ao contrário, que ela move a cadeia produtiva de qualquer segmento. Com o investimento feito, cujo valor não revela, ele espera chegar ao final de 2018 com aproximadamente 450 unidades da marca pelo País.

'O ponto de partidas sempre tem de ser o cliente'

Estudiosa da comunicação entre marca e cliente, Eliane El Badouy atua há mais de 30 anos no mercado publicitário. Pós-graduada em marketing pela ESPM, atualmente ela pesquisa comportamentos de consumo e faz parte do corpo docente da Inova Business School. Nesta entrevista, Eliane fala sobre inovação no setor de franquias e deixa um alerta: é possível cair em armadilhas motivado pela ansiedade de inovar.

Como negócios do franchising podem desenvolver a inovação?

Tudo depende do tipo de franquia e para que tipo de cliente você está fazendo essa entrega. O ponto de partida sempre tem de ser o seu cliente. Temos uma regra que é o job to be done (trabalho a ser feito). Essa expressão resume qual é a tarefa que os consumidores procuram pelo produto ou serviço que eu vou entregar. Se eu não entender isso, por mais que eu faça alguma coisa, corre o risco de ser gracinha tecnológica.

Você consegue citar algum exemplo de sucesso?

Tomando como base a franquia, o Bob's fez uma coisa muito interessante em uma loja do Rio. Usou a tecnologia e se focou em inovação de atendimento ao cliente, que podia fazer seu pedido customizado em totens retirando o pedido diretamente no balcão. Eles fizeram uma pesquisa de mercado e essa ideia surgiu quando as pessoas começaram a falar que o conceito de fast food padronizado já não era mais interessante. Porque fazer algo massificado é ir na contramão do que está sendo pedido hoje, que é justamente a personalização.

Como você vê a era do consumo digital?

No passado, as revoluções industriais eram relacionadas às transformações em funções de equipamentos. A primeira mecanizou os processos, a segunda utilizou o conceito de elétrica para produzir em massa, a terceira se deu a partir da eletrônica e da informática para uma produção automatizada e aí a gente vem para a quarta revolução, que é essa configuração de indústria inteligente, com processos que transformam o uso de sistemas físicos em cibernéticos. A pergunta é: qual o benefício que as pessoas estão buscando?

Hoje, quem é rico é quem tem tempo. Então tudo o que for oferecido para me fazer ganhar tempo é um negócio que vai ter chance de dar certo. Mas eu tenho de entender também que existem momentos e situações que vão demandar um relacionamento interpessoal, que é preciso ter alguém para resolver os meus problemas conversando comigo. Há momentos em que eu vou precisar de um outro recurso muito escasso, que é a atenção.

O que é preciso levar em conta para não cair em armadilhas na hora de inovar?

Se você conhece o seu cliente, o seu ecossistema e sabe qual é o core do seu negócio, você sabe se aquilo que você pretende fazer é só um adereço ou é realmente a inclusão de alguma coisa que vai agregar valor. Muitos pensam que precisam ter aplicativo. Faça as perguntas certas. Por que você precisa de um aplicativo? Faz parte do seu negócio? O seu cliente está habituado a usar aplicativo? Vai ser útil para ele ou vai ser mais um elemento para traumatizar o processo?

ALMS CORTESIA
TJ MS