20 de junho de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
- SEBRAE INSTITUCIONAL
VARIEDADES

Véio traz demônios do sertão para SP

Véio - A Imaginação da Madeira faz um passeio por vários temas trabalhados por Cícero Alves dos Santos em seus 70 anos de vida

14 março 2018 - 07h30
Dividida em três andares - e três temáticas principais, o assombro, a nação lascada e o Museu do Sertão - a mostra conta com cerca de 250 peças das mais de 17 mil que Véio produziu ao longo de sua vida
Dividida em três andares - e três temáticas principais, o assombro, a nação lascada e o Museu do Sertão - a mostra conta com cerca de 250 peças das mais de 17 mil que Véio produziu ao longo de sua vida - Foto: Estadão

O sertão brasileiro tem os seus demônios. Pelas mãos e imaginação do artista sergipano Véio, alguns deles são trazidos para a Avenida Paulista, em São Paulo, em exposição que será aberta ao público nesta quarta-feira, 14, às 20h, no Itaú Cultural, onde fica até 13 de maio.

Véio - A Imaginação da Madeira faz um passeio por vários temas trabalhados por Cícero Alves dos Santos em seus 70 anos de vida. Dividida em três andares - e três temáticas principais, o assombro, a nação lascada e o Museu do Sertão - a mostra conta com cerca de 250 peças das mais de 17 mil que Véio produziu ao longo de sua vida.

O artista sergipano recorda ter começado a brincar com formas aos 6 anos. Na época, construía a partir da sua imaginação, utilizando cera de abelha. Sua família, porém, não via essa atividade com bons olhos. "Achavam que estava brincando de boneca, e aquilo não era permitido", diz Véio ao Estado. "Meus pais achavam que estava seguindo por um lado feminino." Impedido pela família, Véio continuou por muito tempo brincando escondido com a cera. "Fazia as obras, mas quando via alguém chegando, desmanchava."

O artista acredita que, por isso, desenvolveu um tipo de trauma, que serviu, porém, para estimular a construção de seu gigantesco acervo pessoal, que nunca foi movido, ele reforça, por motivos comerciais ou capitalistas. "Por muito tempo pensei que nunca teria a minha coleção." A família, ainda hoje, ele relata, não aceita sua arte. "Admiram o meu nome, pelo degrau que alcancei. O destaque é o artista, mas não a arte."

Véio ganhou o apelido ainda criança, por estar sempre na companhia de pessoas mais velhas, a quem dava atenção e ouvia suas histórias. Preocupado em conservá-las, criou em seu sítio, em Feira Nova (SE), o Museu do Sertão, que é lembrado em um dos andares da exposição, a única documental. Lá, as próprias obras se misturam com objetos adquiridos na região ao longo do tempo - peças comuns, mas que representam a história do homem sertanejo. "O sertão é praticamente esquecido, só é lembrado em períodos eleitorais", analisa o artista. "O sertanejo deveria ter mais oportunidade, de crescer e de valorizar sua própria cultura."

Não por acaso, outra seção da mostra tem o nome de "nação lascada", um duplo sentido para falar da situação do sertão e também da matéria-prima, a madeira morta. "A primeira impressão é que algumas dessas obras são descritivas, mas não são", explica Carlos Augusto Calil, que assina a curadoria com Agnaldo Farias. "Não é artesanato.
As peças comentam, transcendem." Algumas obras são minúsculas, em milímetros. Na mostra, quatro são feitas num palito de fósforo. "A arte não é pelo tamanho, é pela arte em si", opina Véio. "A obra pequena faz você se aproximar dela, abrir os olhos."

Ainda neste andar, estão presentes vários "cães", como denomina o artista - estes sim demônios mais literais que metafóricos. "Um corredor de demônios e da morte, a forma como Véio lida com eles", esclarece Calil. As obras se relacionam também com a do terceiro nicho, o "assombro". "São peças que causam a sensação de estranhamento e fascínio, que falam alto", descreve o curador.

Em suas obras de maior tamanho, Véio se aproveita das formas da natureza. "Vejo as curvas e os galhos tortos. A natureza já fez, cabe a você aperfeiçoar", diz o artista. "Ele é um conservador no melhor sentido da palavra, ele retém. Possui um olhar extraordinário, vê a peça de madeira como a gente não vê", explica Calil sobre o nome da exposição.

Os curadores buscaram peças não só da casa de Véio, como de colecionadores por todo o Brasil. "Eles emprestam com a maior alegria, têm orgulho", conta Calil, que acompanha o trabalho de Véio já há alguns anos. "As pessoas já perceberam que Véio é um dos grandes. Ele ainda carece de reconhecimento, mas acho que essa exposição é de consagração."

VÉIO
Itaú Cultural. Av. Paulista, 149; tel. 2168-1776. Abertura 5ª (15).
3ª a 6ª, 9h/20h. Sáb e dom., 11h/20h. Até 15/5
 

ALMS CORTESIA
TJ MS