07 de julho de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Saraiva de Rezende - SR Construtora
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
ANTONIO CANDIDO

Filha de Antonio Candido diz que pai era "um humanista acima de tudo"

12 maio 2017 - 14h48
Escritor e sociólogo Antonio Candido morre em São Paulo aos 98 anos
Escritor e sociólogo Antonio Candido morre em São Paulo aos 98 anos - Marcos Santos/USP Imagens
comper

A professora do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP), Marina de Mello e Souza, filha do escritor e crítico literário Antonio Candido, que morreu hoje (12), disse que o pai foi um humanista “acima de tudo”. 

"Entendemos que ele é um símbolo de uma geração, de um tipo de personalidade que pregava valores, e que se comportava com uma integridade, uma coerência entre o pensamento e a prática, que se perdeu muito no mundo contemporâneo”, disse, no Hospital Albert Einstein, onde ocorre o velório de Candido, conta com a presença de amigos, parentes e ex-alunos.

“Neste momento em que vivemos, não só no país, como no mundo, uma situação de extremo retrocesso e de valorização de ideais e bens que são muito diferentes das questões do humanismo, ele era um humanista acima de tudo. É importante lembrar que já foi diferente, que já teve gente que deu sua carreira, força de trabalho e capacidade para construir uma sociedade, um mundo melhor”.

O escritor, crítico literário e sociólogo Antonio Candido morreu à 1h40 da madrugada de hoje, em São Paulo, aos 98 anos. O velório prosseguirá até as 17h, aberto ao público. Após isso, o corpo será cremado. A cerimônia será fechada à família. 

 

Entre as obras do escritor, estão Formação da Literatura Brasileira: Momentos Decisivos e O observador literário, publicados em 1959; Tese e Antítese: Ensaios e Os Parceiros do Rio Bonito: Estudo sobre o Caipira Paulista e a Transformação dos seus Meios de Vida (1964); Literatura e Sociedade: Estudos de Teoria e História Literária (1965); O Estudo Analítico do Poema (1987); O Discurso e a Cidade (1993); Vários Escritos (1970) e Formação da literatura brasileira (1975).

Referência e inspiração

Durante o velório, a deputada federal Luiza Erundina (Psol) disse que Candido é referência para aqueles que dedicam a vida a uma sociedade mais igualitária e justa. A deputada ressaltou que o escritor era socialista e um sustentáculo na luta contra o arbítrio e na resistência da democracia no país.

“Ele foi para todos nós uma inspiração, um alento, em toda a trajetória de vida, de luta e de resistência ao arbítrio, atentado à democracia na história desse país. Elee sempre foi uma referência, um ponto de reflexão e de sustentáculo a respeito das coisas”, disse a deputada.

“Ser socialista é isso, é ser capaz de acreditar que é possível transformar a sociedade, na perspectiva de uma sociedade mais justa, mais igualitária, menos cruel, mais tolerante, a tudo isso ele é referência e ele vai ser sempre para nós uma inspiração, ele não morreu”, acrescentou.

Nascido no Rio de Janeiro, em 24 de julho de 1918, o intelectual era professor emérito da Faculdade de Filosofia e Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) e ganhou vários prêmios importantes da literatura como o Jabuti, em duas edições, de 1965 e de 1993; o Juca Pato, em 2007; e o Machado de Assis, em 1993, além do Prêmio Internacional Alfonso Reyes.

GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você é a favor do veto do presidente Bolsonaro em relação ao uso obrigatório de máscaras respiratórias em locais como igrejas, comércio, escolas e presídios?

Votar
Resultados
COMPER Delivery (interna)