16 de Dezembro de 2017 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TRANSPARENCIA SEGOV - 13.12 ATÉ 21.12
FERIADO

Feriado de grandes apresentações musicais no Parque das Nações Indígenas

Além de Almir Sater e Alceu Valença, subiram ao palco Delinha, Tostão & Guarany, Beth e Betinha, Castelo, Aurélio Miranda, Dino Rocha, Victor Hugo de La Sierra e Elinho do Bandoneon, entre outros

13 Outubro 2017 - 09h38Da Redação com Assessoria
O momento foi de resgatar antigas canções e velhas amizades, na opinião do cantor Guarany
O momento foi de resgatar antigas canções e velhas amizades, na opinião do cantor Guarany - Reprodução

O show musical que deu início às comemorações dos 40 anos de Mato Grosso do Sul, nesse feriado, se transformou numa grande celebração da música sul-mato-grossense e num grande reencontro de amigos do circuito musical. Como representantes da música raiz, subiram ao palco Delinha, Tostão & Guarany, Beth e Betinha, Castelo, Aurélio Miranda, Dino Rocha, Victor Hugo de La Sierra e Elinho do Bandoneon. Já no estilo regional figuraram Antônio Porto, Filho dos Livres, Carlos Colman, Hermanos Irmãos & Rodrigo Sater, Zé Pretim, Grupo Acaba, Marcelo Loureiro, Thamires Tannous, Maria Alice, Celito Espíndola, Guilherme Rondon, Gílson Espíndola, Geraldo Espíndola e Paulo Simões. Almir Sater emocionou os presentes terminando sua apresentação com a música que compôs com Paulo Simões em homenagem ao aniversário do Estado, Coração do Brasil.

Para  cantor e compositor Aurélio Miranda, a ideia deste show foi uma idéia feliz pois trouxe ao palco novamente artistas que há tempos estavam fora dos palcos. “Temos artistas que fazem muito pela música brasileira, em diversos estilos. Estou muito feliz porque a produção me ressuscitou. Estou com saúde e pronto para me apresentar”, afirmou.

O momento foi de resgatar antigas canções e velhas amizades, na opinião de Guarany. “Foi um imenso prazer reencontrar amigos que não víamos há tanto tempo. E nos encontrar no mesmo palco é uma alegria muito grande para mim. Tostão completou: “É muito gratificante quando dividimos o palco com pessoas que participavam dos antigos festivais com a gente”.

Geraldo Espíndola estava satisfeito em ver toda a diversidade musical e cultural do Estado no evento. “Mato Grosso do Sul como todo o Brasil já sabe, é um celeiro musical. O país já olha nosso Estado com outros olhos no campo da música. Para mim foi lindo retornar ao Parque das Nações Indígenas e cantar a música que fiz para eles”. No quesito diversidade, Almir Sater concorda com Geraldo: “Nossa música tem personalidade. Eu conheço estes artistas desde menino e é muito legal ser referência. Tem pessoas que podem estar vindo a um show como esse pela primeira vez, e elas poderão depois de ver todos estes artistas, ter vontade de fazer música”, argumentou.

Guga Borba, do duo Filho dos Livres foi um jovem que bebeu nessa fonte musical. “É prazeroso estar nesse show representando uma geração mais jovem de músicos e compositores, dentro de todas essas gerações que vieram antes. Sou muito feliz de chegar aos 42 anos fazendo música e saber que as pessoas acreditam no nosso trabalho que é essencialmente autoral. Não copiamos de ninguém e as músicas autorais se tornaram nossa assinatura. O Estado é jovem e nós estamos construindo a nossa cultura”, finalizou.

As apresentações terminaram com Alceu Valença ontem, 12.

 

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

O assunto mais comentado recentemente foi o discurso do deputado federal Tiririca, que disse que deixaria a vida pública mas que não renunciou ao mandato e permanece até final de 2018. O que você achou?

Votar
Resultados
SEGOV DETRAN/DESAFINADOS - 08.12 ATÉ 14.12 - PI 319 ORIGEM
CORTESIA - CAMARA MUNICIPAL CGR