20 de abril de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 BANNER TCE - Ouvidoria (16 a 20/04)
VARIEDADES

'Eu era chamado de viado e minha irmã era a virgem do Brasil', diz Junior Lima

Junior disse que foi escolha dele e da irmã viver de música e que os dois ficavam "azucrinando" os pais para que eles liberassem a ideia de poder trabalhar com música

17 abril 2018 - 11h19
Junior publica poucas fotos em que o rosto do filho aparece e disse que só postou uma quando Otto tinha cinco dias de vida para matar a curiosidade das pessoas
Junior publica poucas fotos em que o rosto do filho aparece e disse que só postou uma quando Otto tinha cinco dias de vida para "matar a curiosidade" das pessoas - Foto: Estadão

O cantor Junior Lima participou recentemente do canal no YouTube "Ilha de Barbados" para falar sobre exposição na mídia. Ele relembrou episódios da infância e falou sobre preservar a imagem do filho Otto, de seis meses.

"Eu comecei muito moleque, com seis anos de idade, e você vai dar entrevista... Sempre vem os repórteres com uma maldade, uma malícia que eu e minha irmã não tínhamos, e a gente pagou caro por isso muitas vezes", disse.

Questionado sobre o que teria acontecido, ele falou de "estigmas". "(Era chamado de) viado, minha irmã era a virgem do Brasil por causa de uma entrevista de vacilo, que você não viu a maldade no que a pessoa estava falando", contou.

Junior disse que foi escolha dele e da irmã viver de música e que os dois ficavam "azucrinando" os pais para que eles liberassem a ideia de poder trabalhar com música.

"Na época, eu acompanhava Balão Mágico, Trem da Alegria, e comecei a falar "criança também pode fazer isso'", lembrou. Ele disse que ver o pai saindo de casa arrumado para fazer shows o motivou e que, no dia a dia, o chamava de pai, mas, quando o via sair, chamava de Xororó.

Exposição

Junior publica poucas fotos em que o rosto do filho aparece e disse que só postou uma quando Otto tinha cinco dias de vida para "matar a curiosidade" das pessoas. "Agora, posto o mínimo possível. Tento preservar ele, porque ele não está escolhendo essa exposição. Quando ele puder escolher um pouco mais, eu vou poder dar meu parecer, minha opinião, mas é opção dele", afirmou.