23 de setembro de 2018 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
HVM - INCORPORACOES
VARIEDADES

Decisão sobre imposto para Netflix deve sair em abril

12 março 2018 - 19h08

O debate sobre a cobrança da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine) de operadoras de conteúdo sob demanda (VOD), como a Netflix, está em vias de ser concluído, acredita o Ministério da Cultura. A taxa alimenta o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e ajuda a fomentar o cinema no Brasil.

O Conselho Superior de Cinema, colegiado que define a política para o setor, discute a regulamentação da Condecine desde dezembro, e deve chegar a um consenso em sua próxima reunião, no começo de abril, disse na segunda-feira, 12, no Rio, o ministro Sérgio Sá Leitão.

Maior serviço estrangeiro de VOD operando no País, a Netflix chegou há sete anos e ainda não paga a Condecine porque não há legislação específica vigente. A reportagem procurou a Netflix e a empresa informou não se pronuncia sobre este assunto.

O que o MinC quer é atualizar a legislação de 2001 que criou a contribuição. O provedor de VOD se enquadraria na categoria "outros mercados", mencionada no texto original. "Há uma incerteza jurídica. Há uma corrente que defende que eles já deveriam pagar; outra que a Condecine não deve ser aplicada, porque a expressão outros mercados é genérica", argumenta o ministro.

Se a cobrança passar a vigorar, ainda caberá definir em que porcentual será aplicada, e se isso incidirá sobre a receita ou o faturamento da Netflix e de outras empresas. Uma possibilidade seria taxar, no caso de séries, cada um dos episódios, o que o MinC considera incabível, pois encareceria demais e inviabilizaria o VOD no Brasil.

Uma vez finalizada a proposta do Conselho, o assunto será encaminhado para a Presidência da República, por se tratar de uma questão tributária. O Executivo então o mandará para o Congresso. "Estamos nos encaminhando para uma proposta de Condecine sobre a receita, não o faturamento. O porcentual ainda está sendo estudado", esclareceu Sá Leitão, que defende um tratamento privilegiado ao conteúdo nacional na oferta de programação.

O ministro entende que a falta de regulamentação trava o setor, impedindo que outros serviços se estabeleçam no País. Ao mesmo tempo, ele pondera que deve haver equilíbrio entre as plataformas, para que não haja vantagem nem desvantagem econômica. O repasse do aumento dos custos da atividade ao consumidor não deve ocorrer.

O FSA é o principal mecanismo público de financiamento de cinema e produções para TV. A Condecine alimenta o fundo, que tem a maior parte de seus recursos oriundos do que é pago pelas operadoras de telefonia celular.

Nesta segunda-feira, o MinC e a Agência Nacional de Cinema (Ancine) anunciaram R$ 471 milhões para seis linhas de financiamento para cinema e TV via FSA, cujas regras estão sendo simplificadas. O objetivo é que os produtores receberam o dinheiro público mais rapidamente.

Numa apresentação para a classe, no Cine Odeon, no Rio, o ministro disse que é preciso manter os investimentos em alta para que a indústria brasileira do audiovisual se torne competitiva internacionalmente: "Se por dez anos o investimento médio anual se mantiver em R$ 1 bilhão, nós chegaremos a nos posicionar entre as cinco maiores indústrias do mundo, com espaço para todos os conteúdos".

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já tem seus candidatos para as eleições de 2018?

Votar
Resultados
SOLURB
tj ms agosto