12 de Dezembro de 2017 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
SEGOV DETRAN/DESAFINADOS - 08.12 ATÉ 14.12 - PI 319 ORIGEM
VARIEDADES

De volta ao País, Arcade Fire faz crítica ao excesso em novo disco

8 Dezembro 2017 - 07h20

"Eu preciso de tudo agora / Eu quero tudo agora / Eu não posso viver sem tudo agora". Com esse petardo, o Arcade Fire abre seu mais novo disco. A música em questão, Everything Now, dá nome ao 5º e mais polêmico álbum da trupe canadense, lançado neste ano. Um álbum criado ao longo de um ano com a cara de 2017. Inclusive por ser extremo: ou se ama, ou se odeia - quer algo mais contemporâneo do que isso?

A grande banda do indie rock mundial a preservar sua identidade sem vendê-la demais para o circuito das rádios populares (ouviu, Coldplay) surgiu no mundo pós-Strokes e, após nova tomada do mainstream promovida pelo underground, vem sofrendo com a própria ousadia. Everything Now rachou opiniões por ser um novo passo, mais uma vez ousado, na decisão estética do grupo. Com a produção de Thomas Bangalter, do Daft Punk, e Steve Mackey, do Pulp, o disco encontra saídas eletrônicas, refrãos fervilhantes e letras altamente melancólicas. Houve (muita) gente que não gostasse.

A turnê de arenas pelos Estados Unidos sofreu com a recepção morna de Reflekor, um álbum também experimental, mas com melhor caimento. A trupe liderada por Win Butler não lotou estádios, como previsto. Agora, desembarca no Brasil também com questões a provar. A apresentação no Rio, nesta sexta-feira, 8, por exemplo, teve seu local alterado. Foi transferido da Jeunesse Arena, que abrigou 18 mil pessoas, para a Fundição Progresso, cuja capacidade é de 5 mil pessoas. Em São Paulo, a banda se apresenta na Arena Anhembi, no sábado, 9. Há ingressos para as duas datas.

"Acho as críticas curiosas", explicou Tim Kingsbury, em entrevista ao Estado, por telefone, no fim de novembro, durante um breve período de descanso, no intervalo da turnê. "As pessoas gostariam que a gente se mantivesse na fase de Funeral ou Suburbs (discos de 2004 e 2010, respectivamente). Eu não gosto disso, exatamente. Gosto de bandas que mudam. E alguns discos delas, eu gosto, outros não. É assim."

Se repetir o que tem feito na turnê latina nesta terceira vinda ao País, o Arcade Fire dedicará seis canções, de um total de 22, ao novo álbum (são elas: Creature Comfort, Electic Blue, Everything Now, Everything Now (Continued), Put Your Money on Me e We Dont Deserve Love). A fatia dedicada ao novo álbum - o motivo desse giro, afinal - é maior do que o tempo dedicado aos outros discos.

E, em tempos de celulares erguidos a filmar apresentações ao vivo, o teor das músicas, uma crítica ao excesso de informação e à superficialidade das relações com o mundo real, parece perfeito. Será uma ironia das boas. "Não sei dizer se é um disco pessimista", analisa Kingsbury, "porque vejo esse disco como uma combinação, algo trágico e otimista. É, acima de tudo, uma celebração sobre a relação entre as pessoas."

ARCADE FIRE EM SÃO PAULO
Arena Anhembi. Av. Olavo Fontoura, 1.209, Santana. Sábado, 9, às 21h30. R$ 135 / R$ 520. Abertura: Bomba Estéreo, às 20h.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

O assunto mais comentado recentemente foi o discurso do deputado federal Tiririca que disse deixar a vida pública, mas que não renunciou ao mandato e permanece até final de 2018. O que você achou?

Votar
Resultados
BANNER SANESUL - INSTITUCIONAL - de 26.10 ate 31.10
CORTESIA 1 - SEGOV - PRÉ MATRICULA
PI 298 - GOVERNO PRESENTE / DOE ORGAOS - DO DIA 02.11 ATÉ 08.11