21 de outubro de 2019 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
CONTROLE DE PRAGAS

Programa visa o uso de defensivos e incentivar produtos naturais no controle de pragas nas lavouras

O secretário da Semagro, Jaime Verruck, disse que o objetivo é promover e difundir os princípios e práticas que compõem o manejo integrado de pragas

12 setembro 2019 - 09h04
O Plano Estadual para Difusão do Manejo Integrado de Pragas tem o objetivo de com o objetivo de difundir as práticas de manejo de forma a otimizar o uso de defensivos agrícola
O Plano Estadual para Difusão do Manejo Integrado de Pragas tem o objetivo de com o objetivo de difundir as práticas de manejo de forma a otimizar o uso de defensivos agrícola - Foto: Ilustração

Foi anunciado ontem (11) o Plano Estadual para Difusão do Manejo Integrado de Pragas, com o objetivo de difundir as práticas de manejo de forma a otimizar o uso de defensivos agrícolas e ainda incentivar a produção e uso de insumos naturais no controle das pragas das lavouras.

O secretário da Semagro, Jaime Verruck, disse que o objetivo é promover e difundir os princípios e práticas que compõem o manejo integrado de pragas, um sistema que não é novo, porém, pode não ser conhecido por muitos produtores rurais.

O secretário da Semagro, Jaime Verruck

“Recentemente o Ministério da Agricultura publicou uma normativa com referências de procedimentos para controle biológico de pragas, bem como o uso de defensivos em geral. O que estamos fazendo, com esse Programa, é intensificar a divulgação dessa prática. O resultado será a redução dos custos de produção na lavoura, redução de eventuais riscos de impactos ambientais e sociais relacionados ao uso desses insumos, que são essenciais para o processo produtivo.”

O secretário assinou Termo de Cooperação com representantes das entidades das diversas cadeias produtivas agrícolas “formalizando o compromisso de ajustar ações e estabelecer condições básicas no sentido de apoiar a implementação do Plano Estadual para Difusão do Manejo Integrado de Pragas no Mato Grosso do Sul.” O Plano engloba ações já em andamento e lista metas para os próximos anos. O primeiro passo é divulgar as práticas disponíveis de manejo integrado de pragas e em seguida, apoiar o estudo e desenvolvimento de defensivos naturais, com impacto ambiental nulo ou baixíssimo.

Ações que já integram o Plano desenvolvidas nesse ano foram a Reunião Técnica e Simpósio sobre o Controle Biológico de Pragas, realizados em 4 e 5 de junho, em Campo Grande, e a Cooperação Técnica e Institucional firmada com a Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, via Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), que possibilitou a ida de 30 profissionais de Mato Grosso do Sul para participar de capacitação no Instituto Biológico de Campinas em Curso de Produção de Agentes de Controle Biológico, nos dias 27 a 29 de agosto.

“O próximo passo é trazer biofábricas para Mato Grosso do Sul, desenvolver startups de produtos biológicos. Nós temos base científica e bastante diversificação para isso”, disse Verruck.

ASSINATURA

Assinaram o Termo de Cooperação, além de Jaime Verruck pelo Governo do Estado, os diretores presidentes da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), André Nogueira; da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Daniel Ingold; da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento de Ensino, Ciência e Tecnologia), Márcio de Araújo Pereira; representantes da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Maurício Saito; do Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), Lucas Galvan; da Aprosoja (Associação de Produtores de Soja), Frederico Azevedo e Silva; da Ampasul (Associação dos Produtores de Algodão), Walter Schlatter; da Reflore (Associação de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas), Moacir Reis; da Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia), Erico Paredes.

Também estavam presentes o secretário adjunto da Semagro, Ricardo Senna, o deputado estadual Felipe Orro, o promotor de Justiça Luciano Loubet, o superintendente de Produção, Ciência e Tecnologia e Agricultura Familiar da Semagro, Rogério Beretta e o diretor-presidente do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), André Borges.

O projeto foi desenvolvido pelo Governo do Estado, por intermédio da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e seus órgãos vinculados (Agraer, Iagro, Fundect).

 

FULL BANNER AL MS
TCE OUTUBRO