25 de fevereiro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
COTOLENGO
Viviane Feitosa

Blog A

Mãe encontra na corrida terapia para lidar com a perda do filho

25 novembro 2019 - 13h39Por Viviane Feitosa

A advogada Michele Menegat perdeu seu filho quando ele tinha 15 anos, em um acidente de carro, e conta que a corrida foi uma das grandes aliadas na superação do luto

“Foi o José Eduardo quem me levou pra corrida”. Com essa frase, a advogada Michele Menegat me explicou como começou a correr primeiro nas ruas para depois se aventurar por maratonas.  

“ Eu ia com ele até o Parque dos Poderes para que ele corresse lá. E inclusive tem uma foto dele com o meu treinador atual” . Coincidências ? A história de Michele com as corridas vai além da sincronicidade. O amor pelo mesmo esporte do filho foi a base para que Michele atravessasse uma das fases mais dolorosas da sua vida. 

Explico: ela perdeu seu filho José Eduardo aos 15 anos, após o carro em que ele estava junto com outros adolescentes capotar em uma rodovia. 

Em meio a esse cenário desesperador, um bebê de 29 dias, seu segundo filho, o Luís Guilherme, a esperava em casa. 

Passados oito anos do falecimento de José Eduardo, ela confessou que recorreu a sua válvula de escape nesta terça-feira, 19, antes de ir à missa em memória do filho. “ Todo mundo que me conhece sabe. Em um dia difícil, preciso correr” 

Dias antes, ela me respondeu a essas perguntas que você lê abaixo:

Em setembro deste ano você correu a Maratona de NYC. Antes dela,  quais cidades  você tinha corrido?

Antes de NYC/2019 eu corri minha primeira maratona em Berlim/2015. Depois corri em São Paulo/2016, Chicago/2017 e Buenos Aires/2018. Mas NYC é totalmente diferente, não só pelo percurso, que tem subidas e descidas, mas pela energia das pessoas. É praticamente NYC inteira nas ruas torcendo e vibrando. Era tanto "Go,  Brazil" que eu nem senti dor . A todo momento, eu me sentia na linha de chegada.

A corrida, então, tem algo de terapêutico?

A corrida é completamente terapêutica. Terapia ao ar livre. Quando estou em dias ruins, desanimada ou com algum problema, sempre busco na corrida minha melhora. Durante a corrida tudo se resolve, sua mente abstrai os pensamentos ruins e seu corpo relaxa. Meu filho José Eduardo corria e era eu quem o levava para correr no Parque dos Poderes. Depois do seu falecimento, eu passei a correr com mais disciplina e foi minha válvula de escape. Apesar de na época meu segundo filho estar com dois meses, eu quis voltar a corrida. Ela, aliada a ótimos terapeutas e psiquiatras, me ajudaram a passar pelo luto.

Quais dicas em relação a acessórios e hábitos pra quem quer começar a correr?

Primeiro indico procurar um grupo de corrida com um profissional qualificado, que irá passar as principais informações sobre corrida. Quando comecei só queria correr um pouco, uns 5km. Mas depois você vai se apaixonando e quer correr cada dia mais longe e termina correndo pelo menos meia maratona ou como eu, maratona. E ainda pretendo fazer ultra maratona, que são mais de 42 km. O profissional irá indicar um bom tênis que é essencial para evitar lesões. Quanto à alimentação uma nutricionista também é essencial para quem busca saúde e/ou performance.

Qual o lado bom e o lado ruim de correr?

Se existir lado ruim, seriam as possíveis lesões. Mas como tudo que fazemos pode causar uma lesão, eu acredito que correr só tem lado bom. Fazer amizades, melhorar a saúde, melhorar auto estima, viajar, conhecer lugares e pessoas diferentes. Sempre falo que um corredor nunca estará sozinho, sempre encontrará alguém com as mesmas afinidades. E a facilidade da corrida, em qualquer lugar você leva um tênis e uma roupa e sai para correr.

Quando você quer desistir o que você pensa?

Sinceramente, em uma maratona não penso em desistir. Ao contrário, o desafio me faz querer ir mais. Durante a corrida penso muito nos meus filhos, família e amigos. Corro com todos no coração e já termino pensando na próxima.

Descreva em uma frase o que é cruzar a linha de chegada de uma maratona 

Cruzar a linha de chegada de uma maratona é como renascer! Você termina como se estivesse nascendo de novo, mas ainda mais forte e mais feliz!

“Se você quer correr, corra uma milha. Se você quer experimentar outra vida, corra uma maratona.” Emil Zatopek

 

Deixe seu Comentário

PMCG
Maestro João Carlos