Sábado, 25 de Outubro de 2014 - Editado desde: 01 de agosto de 1980
Redação: (67) 3317-7890
 
Depois de acusações mútuas no primeiro turno, Aécio e Marina se unem no segundo turno. Como você analisa essa situação?
Repugnante. Inaceitável.
Normal. Política é assim mesmo.
Não importa os meios se o fim compensa.
Não acredito nas “brigas” dos políticos.
VOTAR RESULTADOS
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

    
 

Papa critica 'tirania do capitalismo' e defende reforma da Igreja

Terça, 26 de Novembro de 2013 - 12:50
Fonte: Folha SP On line
O papa Francisco defendeu a reforma da Igreja Católica e a inclusão de iniciativas que diminuam a riqueza e a hierarquia do Vaticano, em sua primeira exortação apostólica, divulgada nesta terça-feira. No texto, o pontífice ainda defende a posição contra o aborto e critica a "tirania" do capitalismo.
 
Chamada de "Evangelii Gaudium" ("A Alegria do Evangelho"), a exortação apostólica divulgada nesta terça é o primeiro documento papal inteiramente escrito por Francisco. O texto usa um estilo próximo à pregação, no que difere da escrita acadêmica de seu antecessor, o papa emérito Bento 16.
 
Francisco convidou o clero a fazer uma reforma profunda das instituições eclesiásticas, de modo que a Igreja "se torne mais fiel ao sentido que Jesus Cristo quis dar-lhe e às necessidades atuais da evangelização". Ele disse estar aberto a sugestões de reforma para o que chamou de "conversão pastoral".
 
"Prefiro uma Igreja Católica arranhada, ferida e suja porque veio das ruas que uma instituição doente por estar confinada e agarrada à sua própria segurança", disse, criticando ainda a insistência de sacerdotes em expor as doutrinas e a centralização do Vaticano que, para ele, atrapalha o trabalho missionário.
 
O pontífice ainda citou o papa João Paulo 2º, morto em 2005, a quem disse ter pedido para ajudar a encontrar uma nova forma de exercício da liderança eclesiástica por considerar que houve pouco avanço nos últimos anos.
 
Ele também defendeu o uso de formas novas para o ensino do Evangelho, usando "novos caminhos e métodos criativos". "Não devemos encerrar Jesus nos nossos esquemas chatos porque um anúncio renovado oferece aos crentes, aos mornos e aos não praticantes, uma nova alegria na fé e uma fecundidade evangelizadora".
 
POBREZA
 
Francisco defendeu as reformas como uma forma de aumentar a ação eclesiástica para diminuir a exclusão social e a desigualdade. Para o pontífice, ambas situações geram violência no mundo e podem provocar uma explosão.
 
"Até que não se revertam a exclusão e a iniquidade dentro de uma sociedade e entre os distintos povos será impossível erradicar a violência".
 
Nesse sentido, atacou o sistema capitalista, ao qual chamou de "nova tirania" e pediu aos líderes globais que lutem para diminuir a pobreza, a desigualdade social e as diferenças de desenvolvimento entre os países.
 
"Enquanto os problemas dos mais pobres não forem radicalmente resolvidos através da rejeição da absoluta autonomia dos mercados e da especulação financeira, atacando as causas estruturais da desigualdade, não encontraremos solução para os problemas do mundo ou para muitos problemas".
 
ABORTO
 
Em sua exortação, de 142 páginas, Francisco reitera a posição da Igreja Católica sobre o aborto, afirmando que está "não está aberta à discussão" a interrupção da gravidez. No entanto, defende a maior influência das mulheres na liderança da instituição.
 
Ele ainda pediu aos países muçulmanos que permitam o cristianismo, assim como recomendou aos católicos que tratem com respeito os islâmicos. O pontífice também defendeu o crescimento do diálogo com judeus, agnósticos e ateus.
    
 
 
Comentários
 
+ notícias do impresso
 
GRAZIELLE MACHADO
Vereadora
"“Eu tive que carregar o Machado, mas a Grazielle teve que caminhar sozinha”"
Ver mais Entrevistas ›
 
Visitantes do Salão do Automóvel poderão dirigir esportivos de até R$ 900 mil
Ação exclusiva da Audi oferecerá modelos da linha esportiva RS para os fãs da marca.
Ver mais notícias Automotivas ›
 
 
 

Fábio Zugman
Finanças: Conselhos que fazem mal para o bolso e para a vida

Aracy Maria da Silva Lêdo
Não faz sentido obrigar instituições sérias como a Apae a ficar de pires na mão

Ruy Chaves
Pessoas, Sonhos e Cultura
Ver mais artigos ›
 

Escreva seu e-mail abaixo:

 
  Primeira Página - Notícias do Impresso - Últimas Notícias - Galeria de Fotos
Grupo Feitosa - Histórico - Publicidade - Expediente - Fale Conosco
.